Febre amarela

 A febre amarela é uma doença infecciosa grave que ocorre nas Américas do Sul e Central, mas também está presente em alguns países da Àfrica. A patológica é ocasionada por um arbovírus chamado Flavivirus, da família Flaviviridae. As primeiras manifestações da doença aparecem de forma repentina e são caracterizadas por febre alta, calafrios, cansaço, dor muscular, dor de cabeça, náuseas e vômitos por cerca de três dia. A forma mais grave da febre amarela é rara, e aparece após um período de bem-estar, que geralmente dura, em média, dois dias quando pode ocorrer insuficiência hepática e renal, icterícia (olhos e pele amarelados), manifestações hemorrágicas e cansaço intenso. A maior parte dos infectados se recupera bem, adquirindo imunização permanente contra a patologia.

A sua transmissão pode ocorrer em áreas urbanas e silvestres. Está última é transmitida pelo mosquito chamado Haemagogus. Já a febre amarela urbana é transmitida pelo Aedes aegypti, o mesmo mosquito transmissor da dengue. A infecção da febre amarela acontece quando uma pessoa não imunizada circula em áreas florestais e é picada pelo mosquito infectado. Ao contrair a patologia, a pessoa se torna a fonte de infecção para o Aedes aegypti no meio urbano. No entanto, além do homem, a febre amarela pode acometer outros vertebradas como os macacos, que podem desenvolver a febre amarela silvestre, de forma inaparente, mas tendo a quantidade suficiente para infectar os mosquitos. Um indivíduo não transmite a doença diretamente para outro indivíduo.

A prevenção da doença, no meio urbano, só é possível através da picada do Aedes aegypti, ou da vacina contra a febre amarela. No entanto, é necessário realizar alguns cuidados para evitar a proliferação do mosquito e, consequentemente da patologia. O Aedes aegypti se prolifera na água parada, por isso que qualquer recipiente que permita que o mosquito ponha os seus ovos deve ter higienizado e tampado de acordo com as recomendações feita pelo Ministério da Saúde.

Tome a vacina contra a febre amarela e previna-se!

 

Referências

https://www.infectologia.org.br/admin/zcloud/125/2017/01/Informativo_Febre_Amarela_Populacao.pdf

http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/secretarias/svs/febre-amarela

https://www.bio.fiocruz.br/index.php/febre-amarela-sintomas-transmissao-e-prevencao